Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Recomendações > RECOMENDAÇÃO Nº 20, DE 30 DE JUNHO DE 2022

Banner etapa municipal

Início do conteúdo da página

 logocns

 

RECOMENDAÇÃO Nº 20, DE 30 DE JUNHO DE 2022

Recomenda medidas contrárias ao Marco Temporal e relativas à situação alimentar e nutricional dos povos indígenas brasileiros.

O Plenário do Conselho Nacional de Saúde (CNS), em sua Trecentésima Trigésima Primeira Reunião Ordinária, realizada nos dias 29 e 30 de junho de 2022, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas pela Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990; pela Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990; pela Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012; pelo Decreto nº 5.839, de 11 de julho de 2006; cumprindo as disposições da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, da legislação brasileira correlata; e

Considerando o contido na Recomendação/CNS nº 16, de 15 de julho de 2021, que aponta questões relativas à urgência da demarcação das terras indígenas no Brasil, alinhada à Teoria do Indigenato e contra o Marco Temporal;

Considerando a insegurança jurídica provocada pela tese do Marco Temporal, somando a tramitação dos Projetos de Lei nº 490/2007 e nº 191/2020, que pretende regulamentar a exploração de recursos minerais e hídricos em terras indígenas, estimulando, com isso, as invasões e servindo como uma espécie de estímulo para práticas sistemáticas de violências contra a vida e os modos de ser dos povos indígenas;

Considerando o aumento devastador das violências, a exemplo da invasão de 20 (vinte) mil garimpeiros no território Yanomami, em Roraima e, pelo menos, 5 mil garimpeiros na terra Munduruku, no Pará, e os ataques contra as comunidades, como os noticiados e denunciados pelos povos indígenas do Mato Grosso do Sul, contra os Guarani e Kaiowá, gerando, além da destruição do meio ambiente, contaminação das águas, espancamentos, ameaças, estupros, expulsões e assassinatos de pessoas;

Considerando que a insegurança alimentar e nutricional é um dos trágicos efeitos da violência contra os povos indígenas que fere sua delicada relação com a natureza, compromete sua soberania alimentar, ou seja, o direito de definir suas próprias estratégias sustentáveis de produção, distribuição e consumo de alimentos;

Considerando que, nesse cenário de violações de direitos humanos, os povos indígenas são submetidos à dependência do fornecimento de produtos industrializados e ultraprocessados, em muitos casos, vencidos, satisfazendo a interesses externos, o que agrava o cenário de desnutrição, de carências nutricionais e doenças infecciosas, com o aparecimento de doenças como diabetes, hipertensão e obesidade; e

Considerando que o Estado brasileiro é permissivo ao agronegócio, à exploração mineral e à invasão de terras indígenas, ocasionando diversas formas de violência, especialmente, contra os mais vulneráveis, como mulheres e crianças, onde a violência sexual se exprime com mais intensidade, destruindo corpos, identidade cultural e aniquilando sua etnia, com objetivo de lucro e exploração.

 

Recomenda

 

Ao Supremo Tribunal Federal

Que, pelos motivos aqui expostos, rejeite integralmente a tese do Marco Temporal.

Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua Trecentésima Trigésima Primeira Reunião Ordinária, realizada nos dias 29 e 30 de junho de 2022.

Fim do conteúdo da página