Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > NOTA PÚBLICA: CNS critica MP da Irresponsabilidade, que isenta governo de consequências da pandemia frente aos erros da gestão

WhatsApp Image 2020 02 14 at 13.22.56

Início do conteúdo da página

NOTA PÚBLICA: CNS critica MP da Irresponsabilidade, que isenta governo de consequências da pandemia frente aos erros da gestão

  • Publicado: Quinta, 14 de Maio de 2020, 18h00
  • Última atualização em Terça, 19 de Maio de 2020, 09h35
imagem sem descrição.

Nesse contexto, o presidente foge da responsabilidade entre a conduta do agente público e o resultado danoso de sua ação ou omissão

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) expressa perplexidade e profunda discordância quanto ao teor da Medida Provisória (MP) nº 966/2020, editada pelo governo federal na madrugada desta quinta-feira (14/05). A medida isenta agentes públicos de responsabilização civil e administrativa por atos e omissões diante da pandemia provocada pelo Novo Coronavírus (Covid-19), além de determinar que só podem ser responsabilizados os servidores que agirem ou se omitirem “com dolo ou erro grosseiro”.

Sem apresentar fundamentação legal ou constitucional que justifique a legitimidade de sua edição, a MP nº 966/2020 endossa o posicionamento do próprio presidente da república, que tem minimizado os efeitos da pandemia desde o registro dos primeiros casos no Brasil. Até este momento, o chefe de Estado tem se posicionado contra as políticas de distanciamento social, além de ter gerado conflito com diversos governadores que adotaram medidas restritivas de circulação e ampliado o rol do que se considera serviço essencial, causando confusão de entendimento e de adesão ao isolamento social para vários segmentos. Tais ações podem aumentar ainda mais o número de mortes pela doença, conforme indicam as principais evidências da Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras instituições renomadas em todo o mundo.

Nesse contexto, o presidente agora foge da responsabilidade entre a conduta do agente público, em meio à pandemia, e o possível resultado danoso de sua ação ou omissão, porque, segundo a MP, isso por si só não implicaria a sua responsabilização. Este é mais um mecanismo inadequado e irresponsável, criado para benefício político e isenção de culpabilidade. Guardadas as devidas proporções conceituais, com essa MP, o chefe de Estado cria para si e para os agentes públicos que fizeram coro de suas propostas, uma espécie de excludente de ilicitude sob medida. 

Nada mais inapropriado e irresponsável para este momento histórico, tão árduo para o Sistema Único de Saúde (SUS) e toda a população brasileira. Por compreender que essa medida não visa a proteção da população, tampouco contribui para o enfrentamento dos graves efeitos da pandemia, o CNS conclama a sociedade brasileira a se posicionar veementemente contra a medida que, além de inconstitucional, atenta contra o interesse social e a Saúde pública. Seguiremos cumprindo nosso papel constitucional em defesa da vida, da saúde pública, do controle social e da democracia. Esperamos que as autoridades públicas tenham coragem suficiente em assumir, com a devida responsabilidade, as consequências de qualquer ato de gestão, em todos os níveis de governo.

Conselho Nacional de Saúde

Foto: G1

registrado em:
Fim do conteúdo da página