Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Em reunião com Ministério da Saúde, CNS demanda criação de política nacional para albinos
Início do conteúdo da página

Em reunião com Ministério da Saúde, CNS demanda criação de política nacional para albinos

  • Publicado: Sexta, 22 de Outubro de 2021, 14h58
imagem sem descrição.

A mesa diretora do Conselho Nacional de Saúde (CNS) dialogou, nesta quinta-feira (21/10), com representantes do Ministério da Saúde e de movimentos sociais sobre a criação e implementação da Política Nacional de Saúde Integral das Pessoas com Albinismo.

O albinismo é uma condição genética que faz com que as pessoas nasçam sem melanina, a proteína que dá a coloração de olhos, cabelos e pele, o que pode provocar problemas visuais, mais sensibilidade para efeitos do sol (como queimaduras) e lesões e neoplasias na pele.

Atualmente, apesar do déficit de informações sobre o número de albinos no Brasil, estima-se que essa população seja de aproximadamente 21 mil pessoas, segundo informações da Secretaria de Atenção Primária à Saúde (Saps) do Ministério da Saúde. Apesar disso, em julho de 2020, os registros da Atenção Básica do Sistema Único de Saúde só contabilizavam 1.711 atendimentos.

A justificativa é que a porta de entrada para 95% das pessoas com albinismo no Sistema Único de Saúde (SUS) não é a Atenção Básica, mas sim a Atenção Especializada, o que significa que as pessoas com albinismo acessam o SUS já a partir das complicações de saúde, com diagnósticos de doenças crônicas como o câncer, por exemplo.

“Na inexistência de uma política pública a maioria das pessoas com albinismo busca a rede de saúde já na alta complexidade para ser mutilada”, afirma Joselito Pereira da Luz, diretor da Associação das Pessoas com Albinismo na Bahia (Apalba) e representante do Coletivo Nacional de Pessoas com Albinismo.

Durante a reunião da mesa diretora, o coordenador de Garantia da Equidade do Departamento de Saúde da Família (Desf) do Ministério da Saúde, Marcus Vinícius Barbosa Peixinho, apresentou as ações da pasta em atenção à esta população.

Entre os destaques, está a previsão de incluir o tema nos processos de formação e educação permanente dos trabalhadores da saúde e organizar uma linha de cuidado que promova atenção integral às pessoas com albinismo, articulando as ações de promoção, prevenção e assistência.  

Em abril de 2021, o Coletivo Nacional de Pessoas com Albinismo encaminhou ao Ministério da Saúde uma proposta com as diretrizes necessárias para a construção desta política pública. “Nossa luta foi juntar as iniciativas isoladas, coletivas ou individuais para chegarmos até os gestores públicos e fazê-los cumprir um papel negligenciado há tanto tempo”, afirma Joselito.

Para o conselheiro nacional de Saúde Moysés Toniolo, que coordena a Comissão Intersetorial de Atenção à Saúde de Pessoas com Patologias (Ciaspp) no CNS, a expectativa é de chegar a um consenso após finalizar a proposta com as demandas do movimento social e das comissões do CNS. O tema também será analisado em reunião da Ciaspp e da Comissão Intersetorial de Políticas de Promoção da Equidade (Cippe) para contribuições ao texto.

“Já apresentamos uma proposta de política pública elaborada pelo movimento coletivo que o Ministério da Saúde está de acordo. Isso é muito importante e será um excelente avanço para as políticas de inclusão e equidade no SUS”, avalia Moysés ao informar que o tema também será analisado em reunião da Ciaspp e da Comissão Intersetorial de Políticas de Promoção da Equidade (Cippe) para finalizar o texto.

O albinismo acomete todas as raças em todo o mundo, independentemente do sexo, etnia ou condição social. No Brasil, a estimativa de estudos é que o albinismo seja mais comum em regiões com maior incidência de afrodescendentes.

Ascom CNS, com informações de Agência Brasil

Foto: Monusco/Abel Kavanagh

registrado em:
Fim do conteúdo da página