Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Em primeiro turno, Câmara aprova quebra de monopólio para fabricação de radioisótopos

WhatsApp Image 2022 09 16 at 15.11.04

Início do conteúdo da página

Em primeiro turno, Câmara aprova quebra de monopólio para fabricação de radioisótopos

  • Publicado: Quinta, 24 de Março de 2022, 16h12
imagem sem descrição.

A Câmara dos Deputados aprovou, em primeiro turno, na noite desta quarta (23) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 517/10) que quebra o monopólio governamental para permitir a fabricação pela iniciativa privada de todos os tipos de radioisótopos de uso médico. A proposta, originária do Senado, ainda precisa ser apreciada em segundo turno pelos deputados.

Atualmente, a produção e a comercialização desses fármacos no Brasil são realizadas por intermédio da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) e seus institutos, como o de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), em São Paulo. A produção dos insumos tem sofrido descontinuidades devido a falta de recursos por parte do governo.

Em dezembro do ano passado, o  Conselho Nacional de Saúde (CNS) recomendou a regularização imediata da produção e fornecimento de radiofármacos e a retomada do Complexo Econômico e Industrial da Saúde para a produção de medicamentos. A área vem passando por processo de desfinanciamento que tem prejudicado a população brasileira, especialmente quem depende de tratamentos radiofarmacológicos via Sistema Único de Saúde (SUS).

O documento foi direcionado ao Governo Federal e ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Segundo a recomendação, diante dos cortes recentes no orçamento, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipem) teve que suspender a compra dos insumos, o que prejudicou toda a cadeia de produção e distribuição de radiofármacos e radioisótopos usados para o tratamento de câncer no Brasil.

O Ipen é responsável pelo fornecimento de 25 radiofármacos aos laboratórios e hospitais de todo o Brasil, que corresponde a cerca de 85% de toda a produção nacional. Em 2020, a verba repassada ao Ipen, pelo Governo Federal, foi de R$ 165 milhões e até agosto de 2021, o instituto recebeu pouco mais de R$ 91 milhões, o que significa um corte de 46% dos recursos. De acordo com o CNS, o desabastecimento causado pela paralisação no Ipen pode afetar cerca de 2 milhões de pessoas em todo o país, segundo a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN).

Atualmente, a Constituição Federal já autoriza, sob regime de permissão, a comercialização e a utilização de radioisótopos para pesquisa e uso médico. A produção por empresas privadas, no entanto, só é permitida no caso de radiofármacos de curta duração (meia-vida igual ou inferior a duas horas).

Radioisótopos ou radiofármacos são substâncias que emitem radiação usadas no diagnóstico e no tratamento de diversas doenças, principalmente o câncer. Um exemplo é o iodo-131, que emite raios gama e permite diagnosticar doenças na glândula tireoide.

Foto: Reprodução

Ascom CNS

registrado em:
Fim do conteúdo da página