Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Ministério Público Federal ajuíza ação para suspender novos cursos EaD em Saúde

WhatsApp Image 2022 09 16 at 15.11.04

Início do conteúdo da página

Ministério Público Federal ajuíza ação para suspender novos cursos EaD em Saúde

  • Publicado: Segunda, 08 de Agosto de 2022, 12h23
imagem sem descrição.

O Ministério Público Federal ajuizou, na última quarta (27/07), ação civil pública para suspender autorizações de funcionamento de novos cursos de graduação a distância em Saúde, até a tramitação do Projeto de Lei 5414/2016 ou regulamentação do artigo 80 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

O MPF já havia expedido recomendação ao Ministério da Educação (MEC) para suspender autorização de novos cursos e ampliar a fiscalização dos já existentes, após inquérito civil verificar deficiências graves. 

Na ação, a procuradora da República Mariana Guimarães reforça que os cursos EaD são incapazes de formar profissionais qualificados para atender as demandas de Saúde da sociedade, em razão da reduzida carga prática. 

A oferta de cursos de Saúde a distância afronta posicionamento do Conselho Nacional de Saúde (CNS), instância máxima de controle social do SUS, e dos conselhos profissionais de Saúde, admitidos na ação como amici curiae (“amigos da lei”), juntamente com entidades sindicais que representam as instituições de ensino.

Para o CNS, graduação em Saúde deve ser somente presencial. Em 2017, o CNS aprovou recomendação ao ministro da Educação pela suspensão provisória da autorização de cursos de graduação da área da saúde, na modalidade EaD, até que seja devidamente construído e aprovado um dispositivo legal que regulamente o uso dessas tecnologias na formação profissional em saúde.  

Em janeiro de 2020, uma nova recomendação é aprovada pelo CNS para que o Ministério da Saúde e outros órgãos, se posicionem em relação ao assunto. Dentre os documentos e legislações vigentes, a recomendação leva em consideração a Resolução CNS nº 515/2016, na qual o CNS posiciona-se contrário à autorização de qualquer curso de graduação EaD na área da Saúde. 

A justificativa são os “prejuízos que tais cursos podem oferecer à qualidade da formação de seus profissionais, bem como pelos riscos que estes profissionais possam causar à sociedade, imediato, a médio e a longo prazos, refletindo uma formação inadequada e sem integração ensino/serviço/comunidade”, conforme indica o texto.

Ascom CNS com informações de Cofen

Foto: Startupphotos

registrado em:
Fim do conteúdo da página