Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Defesa do SUS pauta evento nacional no MPPR sobre políticas de saúde

WhatsApp Image 2020 02 14 at 13.22.56

Início do conteúdo da página

Defesa do SUS pauta evento nacional no MPPR sobre políticas de saúde

Fernando Pigatto, presidente do CNS, defendeu a importância do diálogo e da mobilização popular para a defesa do SUS em cenário de desfinanciamento

  • Publicado: Terça, 29 de Outubro de 2019, 11h21
  • Última atualização em Terça, 29 de Outubro de 2019, 11h39
imagem sem descrição.

Para 75% da população brasileira, o Sistema Único de Saúde (SUS) é a única forma de acesso aos serviços de assistência à saúde. Considerando essa realidade, o Ministério Público do Paraná sediou nesta quarta e quinta-feira, 24 e 25 de outubro, o seminário nacional “SUS: contextualização, cenários de crise e possibilidades de atuação do Ministério Público”. O evento reuniu promotores e procuradores de Justiça de todo o país, gestores das esferas federal, estaduais e municipais e representantes de organizações da sociedade civil para debates sobre os atuais desafios enfrentados pelo setor.

Abertura – Recepcionando os presentes e dando início ao encontro, o procurador-geral de Justiça, Ivonei Sfoggia, falou sobre a iniciativa. “As bases constitucionais do SUS estão sob grave risco e, durante esses dois dias, do conjunto de vozes presentes aqui em Curitiba, se ouvirá a reafirmação da importância do Sistema que é modelo em todo o mundo e que tem no Ministério Público um de seus maiores defensores”.

A mesa de abertura foi composta ainda pelo ouvidor-geral do MPPR, Ney Zanlorenzi; o corregedor-geral da instituição, Moacir Gonçalves Nogueira Neto; a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade de Lima; o presidente do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais, Paulo Passos (procurador-geral de Justiça do MP do Mato Grosso do Sul); a coordenadora do Grupo Nacional de Direitos Humanos do CNPG, a procuradora-geral de Justiça do MP da Bahia, Ediene Santos Lousado e a procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho, Margaret Matos de Carvalho.

Perspectivas – No painel sobre as “Perspectivas da crise da saúde no Brasil”, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade de Lima, abordou questões que mostram a importância da universalização do acesso à saúde para a construção dos direitos sociais no Brasil. “Foi a partir do SUS que passamos a ter no país uma mudança de conceito de cidadania excludente para uma noção de cidadania inclusiva”, afirmou. Além disso, falando do perfil da Fiocruz na produção de pesquisa e conhecimento, Nísia citou o aprimoramento nos kits de diagnósticos de doenças como Zika, Dengue e Chikungunya. “O SUS não é somente atenção à saúde. Além de atender a população com a realização de procedimentos altamente custosos, é importante lembrar-nos do componente da produção de ciência, tecnologia e inovação.”

O procurador de Justiça Marco Antônio Teixeira, coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção à Saúde Pública do MPPR, ressaltou a importância da participação social na construção das políticas de saúde. “O Sistema Único de Saúde não tem salvação se não nos reaproximarmos da população. A sociedade deve entender o sistema e ser seu principal defensor” disse, mencionando a experiência do MPPR com o Suscom+.

À frente da principal entidade de deliberação sobre as políticas de saúde no país, o Conselho Nacional de Saúde, que conta com representação da sociedade civil e do poder público, Fernando Pigatto falou sobre a importância do diálogo e da mobilização popular. “A participação que tivemos em torno da última Conferência Nacional de Saúde, por exemplo, mostra que as pessoas estão dedicadas à busca de soluções para os problemas existentes. E isso ocorre porque elas estão sentindo diretamente, em seu dia a dia, as consequências da aprovação da Emenda Constitucional 95, como o atraso no agendamento de consultas e exames e o acesso a medicamentos”, afirmou, referindo-se ao dispositivo legal aprovado em 2016 que congelou por 20 anos os gastos públicos na área. A mediação do debate ficou a cargo de Vera Lúcia Edais Pepe, pesquisadora da Fiocruz.

IMG 0456 1500x1000

Crise – Em outro debate, sobre a perspectiva histórica da atual crise da saúde no Brasil, a professora e pesquisadora do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Lígia Bahia, uma das referências nacionais nas discussões sobre o SUS, falou sobre os desafios atuais. “Estamos vivendo um período em que, ao mesmo tempo em que ainda é preciso modernizar o sistema, de modo a aprimorá-lo, ainda temos que resistir ao desmonte que está em curso.” E completou: “Por que somos a favor do SUS? Porque sabemos a potência que a saúde pública tem para resolver problemas sociais”. A pesquisadora da Fiocruz, Tânia Maria Peixoto, coordenou a mesa.

Segundo dia – No segundo dia de evento, no debate sobre os atuais caminhos da tutela individual e coletiva em saúde, o promotor de Justiça do MPPR Marcelo Maggio afirmou que “saúde é mais que um direito fundamental, é um valor presente no meio social. E é por isso que, nesse sentido, deve existir, obrigatoriamente, uma preocupação de que esse direito seja tutelado e garantido por meio de políticas públicas”. Na Conferência “Direito à Saúde e caminhos para a defesa do SUS constitucional”, o presidente do Instituto de Direito Sanitário Aplicado (Idisa), Nelson Rodrigues dos Santos, destacou o que chamou de “ilhas” do sistema, que são as experiências exitosas e reconhecidas internacionalmente, como o funcionamento de serviços como os Centros de Atenção Psicossocial (Caps), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o programa de imunização e os transplantes de tecidos e órgãos, entre outros. Falou também sobre a formação dos profissionais que atuam no sistema. “No decorrer desses 30 anos, foram gerados saberes e conhecimentos, muitas vezes não pela Academia, mas diretamente pela militância do SUS. E hoje temos mais de 1 milhão de trabalhadores no sistema e estamos na terceira geração desde a sua criação, e seguimos com a mesma garra e entusiasmo daqueles que o idealizaram pois acreditamos nele.” Essa última mesa também contou com a participação da pesquisadora da Fiocruz, Joyce Andrade Schramm.

Outros temas – A programação também contou com painel sobre “Financiamento da saúde no Brasil”, que teve exposição do pesquisador da Faculdade de Saúde Pública da USP, Áquilas Nogueira Mendes e coordenação de Guilherme Souza Cavalcanti, da Universidade Federal do Paraná. Sobre “Os atuais caminhos da tutela individual e coletiva em saúde”, além de Marcelo Maggio, a mesa de debates contou com a participação de Fernando Mussa Aith, da Faculdade de Saúde Pública da USP.

As discussões sobre as fragilidades e possíveis soluções para a questão da judicialização da saúde ficaram a cargo do promotor de Justiça do MP do Acre Gláucio Oshiro e do presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Alberto Beltrame, com coordenação do promotor de Justiça do MPDFT, Jairo Bisol. Outra mesa tratou do “Sistema Único de Saúde Constitucional e o Sistema Único de Saúde real: convergências em momentos de crise” com intervenções da cientista política Telma Maria Gonçalves Menicucci, da pesquisadora da Fiocruz Lígia Giovanella e do presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Willames Freire. A mediação foi da coordenadora da Comissão Permanente de Defesa da Saúde (Copeds/CNPG), Isabel Maria Porto.

Realização – O evento foi promovido pelo Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG), por meio de sua Comissão Permanente de Defesa da Saúde (Copeds), em conjunto com o Ministério Público do Paraná, e em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Escola Nacional de Saúde Pública) do Ministério da Saúde.

Fonte: MPPR

registrado em:
Fim do conteúdo da página